27.7 C
Amazonas
segunda-feira, maio 17, 2021

Mayara cobra esclarecimentos sobre capacidade de armazenamento e produção de oxigênio

A Comissão de Saúde e Previdência (CSP) realizou uma nova Audiência Pública virtual, na quinta-feira (29), para tratar do monitoramento e planejamento de ações das secretarias de saúde, do Estado e Município, em relação à pandemia no Amazonas.

Segundo dados apresentados pela Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM), atualmente o Amazonas tem a terceira menor taxa de transmissão do país. Nos últimos 14 dias, a média móvel de mortes em decorrência da Covid-19 caiu 33% na capital e 30% no interior.

Com estabilidade dos casos, a SES-AM elaborou um planejamento de diagnóstico em toda a rede pública de saúde, tanto na capital quanto no interior, para identificação e monitoramento de casos. Um dos pilares é o reforço na saúde da família, por meio dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) que farão o rastreamento de sintomáticos e o isolamento dessas pessoas para evitar que haja uma cadeia de transmissão, e consequentemente um aumento de casos.

Outro ponto destacado foi a produção de oxigênio no Estado. Em janeiro, o consumo de oxigênio chegou a 74 mil m³ por dia, no presente momento está em 13 mil m³. A SES ressaltou que permanece monitorando o nível de produção nas usinas, instaladas nas unidades de saúde, e a capacidade de armazenamento em cada unidade. Além disso, uma das prioridades será o abastecimento de medicamentos essenciais no tratamento contra o coronavírus.

A presidente da CSP, deputada Mayara Pinheiro (Progressistas), afirmou que o planejamento precisa ser executado conforme o previsto, principalmente o mapeamento genético e monitoramento de casos, para que o Estado se antecipe caso haja uma nova onda de coronavírus.

“Quando fazemos propostas ao Poder Executivo, enquanto parlamento, é para que as coisas aconteçam da melhor forma para a população. Erros foram cometidos e infelizmente custaram vidas, portanto espero que o planejamento seja possível e que nós possamos nos preparar no caso de uma terceira onda”, pontuou. A parlamentar questionou ainda a capacidade de armazenamento da empresa White Martins, que permanece a mesma da segunda onda, e se haveria um plano, caso haja demanda semelhante à que ocorreu em janeiro, e houve a falta do insumo.

De acordo com o titular da SES-AM, Marcellus Campelo, o Estado está mantendo canal aberto com a Venezuela para manter o diálogo com o país vizinho, caso precise usar. E está previsto na fase 4 do planejamento, se a demanda ultrapassar a capacidade de produção local, para acionar Ministério da Saúde e Forças Armadas.

“Estamos trabalhando ainda na instalação de novas mini-usinas em mais unidades de saúde e também adquirimos 2 mil cilindros como backup. Mas esperamos que não aconteça novamente, por isso proponho um pacto de todos nós em prol da saúde do nosso Estado”, declarou.

Related Articles

Fique conectado

FansLike
FollowersFollow
0FollowersFollow

Outras matérias