Operação do Estado e Forças Armadas retira objetos proibidos no Compaj

Compartilhe:

As Forças Estaduais de Segurança e militares do Exército, Marinha e Aeronáutica realizaram, nesta segunda-feira (6), uma operação integrada no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, localizado no quilômetro 8 da BR-174 (Manaus-Boa Vista).
A ação de varredura na área interna do Compaj Fechado, no Semiaberto e Feminino contou com 1.291 servidores e 100 veículos e durou cerca de 10 horas, resultando na apreensão celulares, facas, barras de ferros rádios transmissores e outros objetos. Grande parte do material apreendido foi encontrada na área do Regime Semi-Aberto, escondida até em árvores.

A operação foi monitorada pelo Centro Integrado de Comando e Controle do Amazonas (CICC-AM) da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM) e contou com a participação de servidores da SSP-AM, Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Rodoviária Federal, Comando Militar da Amazônia (CMA), Aeronáutica, Samu, Força Nacional, Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e Corpo de Bombeiros.

De acordo com o secretário de Segurança Pública do Amazonas, Sérgio Fontes, o material apreendido demonstra a necessidade de mais ações para retirar esses objetos que são usados para a prática de crimes dentro do Sistema Prisional. “Todos esses materiais foram encontrados com aquela mesma população carcerária que fez a rebelião e cometeu todos aqueles assassinatos no início de janeiro, o que demonstra que as operações devem continuar focadas no sistema prisional, porque é de lá que vem as ordens para os criminosos atuarem aqui fora, já que as lideranças estão presas”, disse.

Ele afirmou ainda que os presos tentaram confrontar policiais militares durante a ação, mas foram rapidamente contidos. “É preciso uma ação dura e dentro da lei para neutralizar os criminosos que tentam enfrentar a polícia em uma ação legitima e legal realizada pelas forças do Estado e do Governo Federal”, ressaltou.

Os equipamentos de alta tecnologia utilizados pelo Exército foram fundamentais para a retirada desses materiais de dentro do Compaj. O tenente-coronel do Comando Militar da Amazônia, Sérgio Oliveira, destacou a eficácia da operação integrada, que utilizou os cães farejadores da Marinha, Exército e Aeronáutica e detectores de metais. “Percebemos que o trabalho integrado com as forças estaduais tem surtido efeito. Não foi localizada nenhuma arma nesta operação, o que significa que as ações estão tendo eficiência”, disse.

O secretário de Estado de Administração Penitenciária, tenente-coronel Cleitmam Rabelo, falou da redução de objetos encontrados dentro do Compaj desde janeiro. “Na primeira operação foram localizados 140 celulares e hoje, nessa terceira revista desde janeiro, o número já caiu para 30 aparelhos, o que tem mostrado a eficiência das revistas”, afirmou.