Estudo da OMS aponta remdesivir e hidroxicloroquina ineficazes contra covid-19

Compartilhe:

A OMS (Organização Mundial da Saúde) divulgou na última quinta-feira (15), os resultados prévios de 1 estudo global realizado em 405 hospitais de mais de 30 países. A pesquisa mostra que 4 antivirais usados no tratamento contra a covid-19 são ineficazes. São eles:

  • remdesivir;
  • hidroxicloroquina;
  • lopinavir/ritonavir (combinação); e
  • interferon beta-1a.

O estudo “Solidarity Therapeutics Trial” (íntegra) aguarda a aprovação de revistas científicas e revisão por outros especialistas.

Participaram do estudo 11.266 adultos. Desses, 2.750 tomaram remdesivir; 954 tomaram hidroxicloroquina; 1.411 tomaram lopinavir; 651, interferon e lopinavir; 1.412 tomaram apenas interferon; e 4.088 fizeram parte do grupo controle, que não recebeu nenhum dos medicamentos.

As evidências apontam que os medicamentos tiveram pouca ou nenhuma influência na redução da mortalidade da doença. A OMS destaca também que não há evidência de que nenhuma das drogas “reduziu consideravelmente o tempo de recuperação ou o tempo de internação dos doentes“.

Para cada medicamento do estudo, o efeito sobre a mortalidade foi decepcionantemente pouco prometedor“, afirmou a OMS.

Apesar de contar com entusiastas –como o presidente Jair Bolsonaro–, a hidroxicloroquina já tinha sido excluída dos protocolos de tratamento da covid-19 por muitos países. O remdesivir, por outro lado, ainda é visto como 1 medicamento eficaz no combate à doença. A droga se tornou a 1ª a ser autorizada pela União Europeia para tratar a infecção causada pelo coronavírus. O antiviral, utilizado originalmente contra o ebola, foi 1 dos usados pelo presidente dos EUA, Donald Trump, para se tratar.

A Gilead Sciences, fabricante do remdesivir, disse, em nota (íntegra – 196 KB), que os resultados dos estudos da OMS “parecem inconsistentes com evidências mais robustas de múltiplos estudos controlados publicados em revistas examinadas que validam o benefício clínico” do medicamento.

“Estamos preocupados que os dados deste ensaio global de rótulo aberto não tenham sido submetidos à revisão rigorosa exigida para permitir uma discussão científica construtiva.” Com informações de Poder 360.