Universitário morre após ser baleado durante ação da PM em Manaus: ‘jovem de um futuro promissor’, diz pai

0
51
Foto: Reprodução/Redes Sociais

O universitário Marco Aurélio Winholt Castro, de 20 anos, morreu após ser baleado durante uma ação da Polícia Militar do Amazonas (PMAM), em Manaus. O rapaz cursava Relações Públicas na Universidade de Federal do Amazonas (Ufam). “Foi um jovem de um futuro promissor”, lamentou o pai da vítima.

Marco Aurélio foi baleado na noite de sexta-feira (6), na comunidade Raio de Sol, no bairro Cidade Nova, Zona Norte de Manaus.

Em nota, a PM informou que policiais militares foram ao local depois de receberem uma denúncia de que homens armados estavam entrando em residências e ameaçando moradores.

De acordo com a polícia, os suspeitos fugiram, quando perceberam a presença dos PMs. “Em seguida, os policiais identificaram um cidadão baleado, prestaram socorro e o conduziram para o Hospital e Pronto-Socorro (HPS) João Lúcio, na Zona Leste, onde a vítima veio a óbito”, disse a Polícia Militar, na nota.

No texto, a polícia afirmou ter compromisso “com a vida” e “respeito aos direitos humanos”, mas não informou de onde partiu o tiro que matou o universitário.

Hugo Castro, pai de Marco Aurélio, acredita que o filho foi assassinado. “Um crime cruel, uma vítima”, disse.

De acordo com testemunhas, os PMs efetuaram dois disparos quando chegaram à comunidade. “Um pegou nas costa do meu filho”, contou Hugo Castro.

Os rastros dos tiros ficaram no local. Segundo a família da vítima, um investigador deve ir ao local dos disparos nesta segunda-feira (9).

“Futuro promissor”

Marco Aurélio cursava o quinto período de Relações Públicas na Faculdade de Informação e Comunicação (FIC) da Ufam.

A Ufam divulgou uma nota de pesar, em que lamenta a morte do aluno. “A Administração Superior se solidariza aos familiares, amigos e à comunidade universitária da Faculdade de Informação e Comunicação (FIC), neste momento de dor e consternação”, destaca o texto.

Para o pai, o universitário teve um futuro promissor interrompido. “Ele era já MEI [Microempreendedor Individual] com 20 anos. Tinha seu próprio veículo e uma boa conta bancária, e tudo isso honestamente”, afirmou.

De acordo com Hugo Castro, o filho era proprietário de uma loja virtual de óculos, que agora ficará sob responsabilidade de um irmão da vítima.

O velório do jovem aconteceu no sábado (7). O corpo dele foi sepultado neste domingo (8), no Cemitério Parque Tarumã, na Ponta Negra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui