Amazônia tem 1/5 das mortes de ativistas ambientais no mundo

0
38
Cris Faga/NurPhoto via Getty Images

Um relatório da ONG britânica Global Witness aponta que, de 2012 a 2022, 1.910 ativistas ambientais e defensores da terra foram mortos no mundo. O documento elaborado pela organização não-governamental destaca que, no ano passado, de 177 ativistas ambientais assassinados, 39 morreram na Amazônia, o que torna o bioma um dos mais perigosos para proteger no planeta.

Desde 2014, já são 296 mortes na região amazônica. Esta foi a primeira vez que a ONG, que mapeia assassinatos de ativistas ambientais e pelo direito da terra desde 2012, documentou os ataques no bioma. No ano passado, ao menos 11 indígenas foram mortos defendendo as suas terras. Muitas dessas mortes, segundo relatório, estão ligadas à atividade de mineração.

“As comunidades indígenas são desproporcionalmente visadas, mas desempenham um papel fundamental na proteção da floresta tropical – agindo como administradores dos ecossistemas dos quais depende a vida na Terra”, pontuou a organização.

O relatório mostra ainda que quase nove em cada dez assassinatos registrados no ano passado aconteceram na América Latina. O país mais letal do mundo para ativistas ambientais é a Colômbia, que desbancou o Brasil com 60 mortes no ano passado e 382 desde 2012. O Brasil registrou 376 assassinatos no mesmo período de 11 anos.

Apesar da quantidade de assassinatos, a ONG aponta que poucos são responsabilizados na Justiça.

Um dos casos citados no relatório é o do jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira, mortos no Vale do Javari, no Amazonas, em junho do ano passado. Eles foram mortos após registrarem pesca ilegal na região. O caso teve ampla repercussão no Brasil e no mundo.

Outro caso relatado no documento é o do assassinato do ativista José Gomes, de 61 anos, conhecido como Zé do Lado. Ele, sua companheira, Márcia Nunes Lisboa, de 39, e da filha dela, Joane Lisboa, de 17, foram mortos em janeiro do ano passado, no interior do Pará. O ribeirinho protegia as tartarugas da região.

Pesquisadora e consultora da Campanha de Defensores da Terra e do Meio Ambiente na Global Witness, Gabriella Bianchini explica que a maioria dos casos é ligada a conflitos de terra. A Amazônia registra tantas mortes, segundo ela, “porque vivem ali milhares de defensores e porque é uma região vista como caminho para o progresso e o lucro”.

“É visto pelos destruidores como uma fronteira de desenvolvimento que precisa ser explorada”, ressaltou. Com informações de Metrópoles.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui