Todos políticos do Amazonas querem surfar no banzeiro enfrentado por Braga depois de sancionada a PEC da ZFM

0
389

Agora que a Proposta de Emenda Constitucional que prorrogou a Zona Franca de Manaus por mais 50 anos está aprovada e sancionada todos os políticos do Amazonas querem surfar em seu banzeiro.

Políticos são sempre assim, em tudo querem tirar uma casquinha, querem ser o pai da obra ou da ideia, mas têm aqueles que influenciam, que fazem discurso, que põem a cara a tapa e têm aqueles que apenas levantam o braço, ou permanecem como estão para demonstrar concordância com a matéria.

A bancada amazonense, no Congresso Nacional, é sempre lembrada pela sua irrelevância, seja numérica, seja política. Então, como fazer para que uma matéria específica, que beneficia diretamente o Amazonas, consiga a aprovação em dois turnos, nas duas Casas Legislativas, sem qualquer entrave?

Quer saber a resposta?

Pergunte ao senador Eduardo Braga, do PMDB, líder do governo federal no Senado.

Braga, com certeza, não se furtará em dizer que tudo depende de fazer pressão na medida exata e nas pessoas certas.

A prorrogação da Zona Franca, claro, é uma vitória de todos os amazonenses, e porque não dizer também dos brasileiros, posto que o modelo hoje é reconhecido no país como importante polo industrial, responsável por manter em pé 98% da floresta amazônica no Estado.

Mas toda batalha tem seus soldados e tem seu general.

Na luta política também é assim, e uma boa liderança, que vê os objetivos com clareza e sabe como atingi-los, é imprescindível para conquistar a vitória.
Não é fácil fazer previsões, mas ninguém pode negar que sem a presença do senador Eduardo Braga à frente da bancada amazonense a aprovação da PEC teria um caminho bem mais tortuoso, ou talvez nem chegasse a ser votada, embora fosse uma promessa da presidente Dilma Rousseff.

Propostas no Congresso devem haver toneladas, a maior dificuldade é fazê-las tramitar diante de tantos interesses antagônicos.

Sem um parlamentar articulado, que exerça influência em seus pares, que tenha trânsito livre entre as lideranças do Legislativo e do Executivo, nada anda.

Não se faz injustiça a ninguém dizer que Braga correspondeu bem às esperanças que o Amazonas depositou nele, tanto que a prorrogação é uma realidade, está aí para quem acreditou e também para os que duvidavam da capacidade dos parlamentares amazonenses em aprovar tal pleito, mesmo contrariando bancadas bem mais poderosas.
Tentar aproveitar os ventos favoráveis é natural entre homens públicos, que vivem de votos, mas até aqueles que sempre fizeram oposição a Eduardo Braga, ao longo de sua vitoriosa vida política, sabem que sem o senador, a conduzir o processo de votação da PEC, o PIM ainda estaria sujeito às instabilidades políticas e econômicas.

Com mais 50 anos, o projeto se consolida ainda mais na geração de empregos e na produção da riqueza que tornou o Amazonas um dos Estados brasileiros com os melhores índices de desenvolvimento.

Por tudo isso, obrigado senador Eduardo Braga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui