Vaca fica em cima de poste após enchente baixar

0
684

Uma vaca morta foi encontrada em cima de um poste de energia elétrica em São Borja, na fronteira do Rio Grande do Sul, após água da enchente que atingiu o município baixar alguns metros.
O município é um dos 146 afetados pela chuva forte que atingiu o Estado nas duas últimas semanas e está em situação de emergência devido à cheia do rio Uruguai.
De acordo com a Defesa Civil estadual, 400 pessoas estão desabrigadas (em abrigos) e 2,5 mil desalojadas (na casa de parentes ou amigos) na cidade.
“Jamais imaginei uma cena destas”, escreveu o administrador Luiz Roberto Jacques, que postou nesta terça-feira as imagens tiradas ontem pelo amigo Michel Mariano da Rocha no Facebook na página São Borja, criada por ele em 2006 para divulgar informações do município e tem quase 10 mil curtidas.
“A água na região que essas fotos foram tiradas ontem chegou a ficar uns três metros acima dos postes”, contou Jacques, explicando que o lugar fica no interior de São Borja, a cerca de três quilômetros do cais, junto a uma propriedade rural. “O rio chegou a atingir 17,34 metros segundo as medições da prefeitura naval de São Tomé”, informou. O dono do animal não foi encontrado. “Não se tem ideia de que altura do rio esse animal veio. Não tem como saber”, ressaltou.
A vaca ainda não foi retirada de cima do poste. “O rio lá ainda está cinco a seis metros acima do nível”, completou.
O número de pessoas fora de casa no RS por causa da chuva caiu para 19.325 pessoas, segundo boletim divulgado às 11h desta terça-feira pela Defesa Civil estadual. Ao todo, 122 municípios decretaram situação de emergência e dois estão em estado de calamidade pública. Duas pessoas morreram e uma está desaparecida.
Ontem, o governo estadual publicou decreto de situação de emergência em 13 rodovias estaduais que foram interrompidas por deslizamentos e inundações nos meses de junho e julho. O decreto irá viabilizar a recuperação de trechos rodoviários com maior rapidez. Os recursos necessários somam R$ 38 milhões e já foram informados ao governo federal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui