Lentes do “Fantástico” não registraram o descalabro da educação no interior do Amazonas

0
628

Crianças no interior do Amazonas abandonam a escola antes de completarem 10 anos.

A última edição do “Fantástico”, exibido aos domingos pela Rede Globo de Televisão, abordou com especial alarde a situação pra lá de caótica das escolas em alguma
região do nordeste.

A Globo fez que deveia fazer.

Infelizmente, as lentes da Globo não focalizaram o interior do Amazonas, que assiste e vive o descalabro da educação que, rigorosamente, não oferece as mínimas condições para o aprendizado.

Nas comuniades ribeirinhas do interior do Amazonas milhares de crianças jamais pisaram em uma sala de aula seja por falta de escola ou de estímulo para chegar a mais próxima da comunidade em que vive.

As grandes distâncias e falta de transporte regular (fluvial), estão entre as causas que mais contribuem para afastá-las da sala de aula.

“É muito difícil segurar uma criança cansada e com fome na escola. Elas vêm no primeiro mês, no segundo, no terceiro, mas não voltam pra concluir o segundo semestre”, comenta a professora do Gume do Facão, na região do Rio Juruá.

Além de cansados e com fome, o padrão das escolas do beiradão amazônico são inóspitas, não oferecem as mínimas condições de conforto à sua rarefeita clientela.

Todas, sem exceção, são pobres, deficientes, rudimentares – taperas quase sempre de chão batido, cobertas de palha, com um único vão onde crianças buscam a todo custo o conhecimento, a educação.

A maioria delas, as escolas, sequer tem sanitário.

Água potável para beber só quando chove e a professora, com a ajuda da meninada, consegue aparar em um vasilhame qualquer.

Durante as aulas, os alunos suam como chaleira por falta de venlidação.

“Tudo isso interfere no aprendizado do aluno. O calor é muito forte e faz com ele se distraia ou durma. A gente se esforça, mas os resultados não são os melhores”, destaca a professora, que criticou a falta de iluminação e alimentos para merenda escolar.

Quanto a falta de banheiro, a humilde professora baixou a cabeça e completou: “vão para o mato e fazem suas necessidades como gato”.

Apesar das dificuldades, algumas crianças conseguem mudar de série no final do ano letivo.

Mas, por falta de opção para completar o ensino, a grande maioria fica sem estudar antes de completar 10 anos.

foto 7 foto 8 foto 9 foto 12 foto 13

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui