Críticas de FHC e Aécio foram ‘deselegantes’, diz Dilma

0
497

A presidente Dilma Rousseff avaliou como “deselegantes” as críticas feitas por Fernando Henrique Cardoso a seu governo, durante sessão solene do Congresso pela passagem dos 20 anos do Plano Real, mas não quis bater boca com o ex-presidente.

A estratégia da equipe de Dilma para a campanha da reeleição é mostrar que, enquanto os adversários criticam, ela cuida da administração e entrega obras.

Mesmo assim, o governo escalou ministros e dirigentes do PT para rebater Fernando Henrique, dando o tom de como será o discurso da campanha petista contra o candidato do PSDB à Presidência, senador Aécio Neves (MG).

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também fará, no palanque, o contraponto à ofensiva do PSDB.

“Foi o presidente Lula que resgatou o Plano Real, que sofreu um desvio no meio do caminho por causa da pedra da reeleição”, disse a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), ex-chefe da Casa Civil, numa referência velada à denúncia de compra de votos no Congresso para o segundo mandato de FHC.

Gleisi não estava no plenário do Senado quando o ex-presidente partiu para o ataque contra os governos Dilma e Lula, apontando “fadiga de material” da administração do PT.

Senadores petistas não compareceram à cerimônia de comemoração do Plano Real, mas negaram ter recebido orientação do Planalto para esvaziar a festa tucana.

“Desde 2011 a presidente Dilma continua a operação salvamento do Plano Real”, afirmou Gleisi. “Eu gostaria de saber quantos países, em 11 anos de governo, conseguiram controlar a inflação e garantir o emprego com crescimento do consumo e da economia.”

Quando o Real foi lançado, em 1994, o então deputado Aloizio Mercadante (PT), hoje ministro da Casa Civil, era assessor econômico de Lula e criticou duramente o plano, chamado por ele de “eleitoreiro”.

Tudo deu errado para o PT naquela campanha e Mercadante foi obrigado a substituir na última hora o vice de Lula, José Paulo Bisol, envolvido em denúncias. Nos anos seguintes, porém, o PT teve de mudar o discurso e admitir que errou na avaliação sobre o Plano Real.

“Estávamos no calor da briga, mas, em nossa defesa, precisamos dizer que vínhamos de uma sucessão de planos fracassados e a conta era sempre jogada nas costas do trabalhador”, afirmou o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo. “Agora, vamos fazer justiça: quem lançou o Plano Real foi o então presidente Itamar Franco”, insistiu ele.

A tática do PT para a campanha de Dilma à reeleição é bater na tecla do aumento do emprego e da renda desde 2003, quando Lula assumiu a Presidência, e fazer a comparação deste período com os oito anos do governo Fernando Henrique.

“O presidente Lula sempre faz uma comparação como se a história começasse com ele. Está bem, cada um tem seu modo de ser, mas ele diz que a inflação, em 2002, era de 12% e agora é de 6%. Só que, em 2002, a inflação era dele, era o medo do Lula. Nós derrubamos quando era 40% ao mês”, comentou Fernando Henrique, nesta terça, em discurso no Senado.

Para o ex-presidente, 39 ministérios e 30 partidos são a receita para paralisar a administração. Na segunda-feira, 24, ao se reunir com líderes da base aliada na Câmara dos Deputados, Mercadante disse que “há menos ministérios do que partidos que querem ministérios”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui