O grito silencioso dos excluídos (A face oculta de Manaus – I)

1
951

Quinta-feira, 20 de junho de 2013. Ninguém acreditava que em Manaus 100 mil pessoas ganhassem as ruas para protestar contra as mazelas sociais e políticas profundamente enraizadas nas estruturas de uma república asfixiada por escândalos de todos os matizes jamais registrados em toda história deste pais.

Nas ruas e avenidas pessoas de todas as idades e raças – estudante do jardim da infância (ainda é assim?), secundarista, universitários, profissionais liberais, funcionários públicos, maconheiro, prostituta, baderneiros, sarcerdote, batedores de carteira, pivetes, comunista e não comunista, gays, enrustidos, entre outros -, fizeram reverberar com toda a força de seus pulmões a indignação reprimida de anos de tolerância contra a falta de vergonha institucionalizada.

Reverberaram, uníssonos, contra o cinismo dos mensaleiros e de seus executores; contra a gastança abusiva que já chega a R$ 28 bilhões na construção de estádios de arquitetura faraônica; contra a decadência dos serviços estratégicos (transporte coletivo, saúde, educação); contra projetos no mínimo mirabolantes, como a PEC 37; contra a intimidade explicita do poder com bicheiros e outros do gênero.

Gritaram, enfim, contra os políticos agora perplexos e de rabinho entre as pernas diante do clamor popular.

Outras vozes, entretanto, não explodiram na avenida, estridentes. Elas permaneceram silenciosas, mudas, caladas.

A voz dos excluídos ou dos vagabundos, para muitos, permaneceu entalada no peito. Não por quê não tivessem vontade de soltá-la à pleno pulmão, como os estudantes e professores, enfermeiros e médicos, engenheiros e garis, camelôs e operários do Polo Industrial da Zona Franca de Manaus.

Não soltaram a voz porque já lhes faltam força de tanto gritar – todos os dias – e não serem ouvidos por ninguém.

Nas ruas e avenidas, eles cansaram de gritar – de gritar como cidadãos – por um chão para morar, por um prato de comida para comer, por uma cama para dormir, por dignidade, respeito à vida, amor e solidariedade humanitária.

Não foram ouvidos e calaram.

Esquecidos e desprezados, eles vivem e dormem nas calçadas e praças públicas como se nada mais restasse para eles.

Nas calçadas, eles dormem sobre pedaços de papelão, convivem dia e noite com o lixo, de onde tiram o alimento para sobreviver, disputam espaços com ratos e baratas, enfrentam nuvens de mosquitos e toda sorte de vicissitudes.

Os excluídos perderam a voz. Já não podem mais gritar.

 

Nota: participaram desta reportagem os repórteres fotográficos Sérgio Barboza Jr. e Márcio Rodrigues

1 COMENTÁRIO

  1. Adorei o artigo (compartiho no facbook). Eles, embora normalmente esquecidos, também são o Brasil, entanto que uns se enriquecem ao ritmo de potência mundial, outros lutam com a vida. Caberia nos perguntar o origem de tamanha desigualdade…
    Agradecida pela sua reflexão,
    Eva Luna.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui