22.4 C
Amazonas
quarta-feira, outubro 27, 2021

Clubes pedem para CBF cancelar a rodada do Brasileirão por causa do Flamengo

A briga dos 19 clubes da primeira divisão do Campeonato Brasileiro com o Flamengo ainda não acabou. Há uma possibilidade de haver outros rounds sobre a presença de torcida nos estádios que podem paralisar a competição. A chance é remota, mas existe. E não é uma decisão simples. Ela precisa estar alinhada com patrocinadores, tevês e, principalmente, Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Há indicações de que a entidade estaria de braços dados com os clubes desta vez e em pé de guerra com o time do Rio, que abraçou uma liminar para conseguir o direito de vender ingressos para suas partidas, a primeira marcada para esta quarta contra o Grêmio. São três jogos seguidos, um deles ainda pela Libertadores e outro pelo Brasileiro.

Em reunião na sede da CBF para discutir o assunto semana passada, somente o Flamengo não mandou representante. Na ocasião, ficou decidido que os times da Série A não abririam os portões de seus estádios nesse momento da pandemia. Todos eles acordaram de esperar o avanço da vacinação contra a covid-19 pelo menos mais 30 dias, quando o assunto será novamente tratado. De posse de uma liminar, o rubro-negro carioca não vai seguir a regra e terá torcida, por exemplo, no jogo desta quarta no Maracanã pela Copa do Brasil. 

“Desde que as autoridades públicas permitiram o retorno do futebol sem público (sic), o Flamengo sustenta, de forma clara e inequívoca, que não cabe à CBF ou aos clubes deliberar acerca da existência ou não de público nos estádios, por não se tratar de matéria de sua competência desportiva”, informou o Flamengo.

De modo que os clubes ensaiam parar o Campeonato Brasileiro se isso acontecer nas partidas da competição nacional. Há dois caminhos. O primeiro, e mais radical, é forçar a CBF a desmarcar a rodada se isso acontecer. O segundo é jogar para frente apenas as partidas de quem quer vender ingresso agora, no caso o Flamengo. Por enquanto apenas o time carioca assumiu essa postura deliberadamente. Há outros times que vão se valer do torcedor em torneios da Libertadores, mas esses pretendem respeitar a decisão em bloco de estádios vazios no Brasileirão, caso, por exemplo, do Atlético-MG, líder da disputa.

A prefeitura de Belo Horizonte decidiu pela liberação de até 30% da capacidade do Mineirão após evento-teste desastroso. Os clubes do Rio Grande do Sul também estão na iminência de abrir seus portões, mas ainda não o fizeram. Estão com os 19. 

O assunto da liberação do torcedor está na pauta da CBF e das secretarias estaduais de saúde, assim como dos governadores de Estados. O tema será tratado novamente em outubro. Em São Paulo, ficou estipulado pelo governador João Doria que as arenas terão a volta do torcedor em novembro, mesmo mês da realização do GP de São Paulo de Fórmula 1, cujos ingressos já estão sendo vendidos. Os clubes paulistas tendem a seguir a orientação respeitando os perigos da contaminação da doença.

Ocorre que há um problema nisso que desrespeita as orientações de isolamento da pandemia. Trata-se das aglomerações nas imediações dos estádios. No jogo desta terça na Vila Belmiro, do Santos contra o Athetico-PR, não havia torcedor dentro da Vila, mas todos eles estavam nas ruas, em frente ao portão principal e nos bares das imediações.

A CBF tem em sua mesa um pedido para desmarcar a rodada. O Flamengo enfrenta o Grêmio no fim de semana, domingo, às 20h30. Há mais nove jogos. As bravatas desse tipo no futebol, no entanto, nunca dão em nada. A CBF jamais tomou decisões desse tipo, nem perto disso. O calendário não comporta mais datas. Se desmarcar, terá problemas para remarcar.

O problema, por enquanto, diz respeito somente ao Flamengo, de modo que Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) não teve forças para impedir que um time do Rio nadasse contra a corrente. A CBF vai aceitar, principalmente também pela falta de comando desde o afastamento do presidente Rogério Caboclo pelo assédio moral e sexual. O presidente do STJD, Otávio Noronha, deferiu o pedido de intervenção dos clubes para atuarem como terceiros interessados na Medida Inominada do Flamengo, mas negou reconsideração para revogar a liminar que liberou a presença de público nos jogos do clube carioca em competições nacionais. A decisão foi tomada na noite desta terça. Isso só prova que o Flamengo é forte dentro de campo e também nos bastidores. 

Nesse momento da discussão, a briga já nem diz tanto respeito à pandemia, aos perigos de contaminação com a covid-19 dentro dos estádios e possível morte de pacientes, mas sim ao fato de um time de futebol ter mais regalias do que outro na mesma competição, como a presença de sua torcida na arquibancada. A CBF tem até sexta-feira para se manifestar, mas poucos acreditam que não haverá futebol no Brasil no fim de semana. (Estadão)

Related Articles

Fique conectado

FansLike
FollowersFollow
0FollowersFollow

Outras matérias