Lewandowski se diz ‘supreso’ com a ‘guinada jurisprudencial’ para barrar Lula na eleição

Compartilhe:

Segundo o magistrado, a Lei de Eleições diz claramente que uma candidatura sub judice pode ser registrada. Lula, por outro lado, foi barrado no TSE, a despeito de mensagem enviada pelo Comitê de Direitos Humanos da ONU ao estado brasileiro, exigindo que o petista tivesse seus direitos políticos assegurados.

“Eu fiquei surpreso com essa guinada jurisprudencial, porque a Lei de Eleições, em seu artigo 16-A, é absolutamente expressa no sentido de dizer que aqueles candidatos que estão sub judice – ou estão respondendo a processos, em linguagem popular – têm direito de participar de todos os atos eleitorais por sua conta e risco.”

A declaração do ministro pode ser conferida a partir dos 11 minutos do vídeo abaixo [a parte 3 do documentário].

Na mesma produção, Lewandowski evitou chamar o impeachment de Dilma Rousseff de golpe e criticou duramente o vazamento do grampo que a Lava Jato fez na ex-presidente e em Lula. A gravação da coversa foi entregue por Sergio Moro à imprensa poucas horas depois de ter sido feita.
O ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, também disse que Moro não tinha o direito de vazar o grampo que atingia a presidência da República.
Janot também foi crítico a Moro em outra passagem, quando diz que nem pensaria duas vezes se fosse convidado para ser ministro do Supremo ou da Justiça. Para Janot, aceitar um convite do gênero comprometeria a imagem da Lava Jato.